13/01/2011

Ergonomia na sala de aula

Introdução
Este trabalho tem como objetivo expor os problemas que são encontrados na sala de aula, a partir da interação do aluno e seu ambiente escolar, tomando como base o estudo da ergonomia.
A ergonomia na educação contribui para o estudo da pratica pedagógica, analisando as adaptações que o aluno e o professor faz ao seu ambiente de trabalho, no caso a sala de aula.
Iremos observar os riscos ergonômicos encontrados na secretaria, e alguns métodos de prevenção.
  
ergonomia
A ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho ao homem. O trabalho não envolve somente o ambiente físico, mas também os aspectos organizacionais de como esse trabalho é programado e controlado para produzir resultados desejados.
Observa-se que adaptação sempre ocorre do trabalho para o homem. A recíproca nem sempre é verdadeira. Ou seja, é muito difícil adaptar o homem ao trabalho. Isso significa que a ergonomia parte do conhecimento do homem para fazer o projeto do trabalho, ajustando-o as capacidades e limitações humanas.
Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, ambiente e equipamento, e particularmente a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos desse relacionamento. (Ergonomics Research Society, Inglaterra).
Para realizar o seu objetivo a ergonomia estuda diversos aspectos do comportamento humano no trabalho e outros fatores importantes para o projeto de sistema do trabalho, que são:
O homem – características físicas, fisiológicas, psicológicas e sociais do trabalhador; influência do sexo, idade, treinamento e motivação.
Máquina – entende-se por máquina todas as ajudas materiais que o homem utiliza no seu trabalho, englobando os equipamentos, ferramentas, mobiliários e instalações.
Ambiente – estuda as características do ambiente físico que envolve o homem durante o trabalho, com a temperatura, ruídos, vibrações, luz, cores, gases e outros.
Informação – refere-se às comunicações existentes entre os elementos de um sistema, transmissões de informações, o processamento e a tomada de decisões.
Organização – é a conjugação dos elementos acima citados no sistema produtivo, estudando aspectos como horários, turnos de trabalho e formações de equipes.
Conseqüências do trabalho – aqui entram mais as questões de controles como as tarefas de inspeção, estudos dos erros e acidentes, além dos estudos sobre gastos energéticos, fadiga e strees.
Os objetivos práticos da ergonomia são a segurança, satisfação e o bem-estar dos trabalhadores no seu relacionamento com sistemas produtivos. A eficiência virá como resultado. Em geral a ergonomia visa, em primeiro lugar, o bem-estar do trabalhador.
Áreas de aplicação: Medicina, psicologia, sociologia, antropologia, antropometria, engenharias, arquitetura, design (produto, gráfico, ambientes, mobiliários, etc.)

Lesões resultantes de condições ergonômicas
As lesões resultantes de condições ergonômicas inadequadas são conhecidas como Lesões por Esforço Repetitivo (LER), Distúrbios Ósteo-musculares Relacionados ao Trabalho (DORT) ou Lesões por Movimentos Repetitivos (LMR). As causas para estas lesões são o trabalho prolongado envolvendo movimentos repetitivos, movimentos forçados e posturas incômodas. As LER são lesões dolorosas e freqüentemente incapacitantes, que afetam principalmente os punhos, costas, pernas, ombros, pescoço, músculos e articulações.
Condições ambientais adequadas são importantes para o completo bem estar dos trabalhadores e a produtividade.
Uma área de trabalho que é muito fria ou muito quente, pouco iluminada, barulhenta, pouco ventilada, ou com odores desagradáveis, causa aborrecimento, stress, fadiga, cansaço visual, dor de cabeça e outros problemas. Em casos extremos, um ambiente inadequado no escritório pode causar doenças.
As lesões e doenças relacionadas com condições ergonômicas inadequadas podem ser prevenidas, fazendo com que o local e a organização do trabalho se ajuste às necessidades físicas e mentais de cada trabalhador individualmente.

Métodos e Técnicas
A Ergonomia utiliza métodos e técnicas científicas para observar o trabalho humano. A estratégia utilizada pela Ergonomia para apreender a complexidade do trabalho é decompor a atividade em indicadores observáveis (postura, exploração visual, deslocamento). A partir dos resultados iniciais obtidos e validados com os operadores, chega-se a uma síntese que permite explicar a inter-relação de vários condicionantes à situação de trabalho.

Ergonomia e Pedagogia
A ergonomia estuda a adequação do trabalho ao ser humano e pode contribuir para a melhoria de processos, produtividade, ambiente de trabalho, dentre outros.
A ergonomia em educação ainda é um campo de estudo que tem muito a contribuir no que se refere à prática pedagógica.
Neste sentido, devemos observar como a ergonomia se relaciona com a educação e quais as contribuições que ela pode proporcionar ao ambiente escolar e, consequentemente, como pode ajudar a melhorar o rendimento escolar do aluno e a qualidade do trabalho do professor.
Assim, é tarefa da Ergonomia Educacional, ser um referencial para implementar ações pedagógicas que constituem a base do Programa de Conscientização Postural na Escola (PCPE). Aplicados aos fundamentos, conceitos, referencial teórico e metodológicos da Pedagogia Postural.
O Conceito da Pedagogia Postural tem por objetivo desenvolver nas Escolas, com apoio do Programa de Conscientização Postural na Escola (PCPE), palestras educativas que possam gerar consciência crítica acerca dos problemas que afetam a postura corporal dos alunos, alterando sua estrutura musculoesquelética e, servindo de instrumento para prevenção de lesões e dores associadas que podem comprometer o rendimento escolar.
Neste sentido, apoiado nos fundamentos da Pedagogia Postural, procuramos discutir, analisar e mostrar aos alunos posturas corretas que devem ser adotadas para uma melhor interação com os instrumentos pedagógicos que diariamente os jovens utilizam, tais como: o mobiliário escolar, a mochila, o computador, como pegar e transportar objetos pesados, situações do dia-a-dia, etc.
A Pedagogia Postural tem como objetivo a reflexão, ordenação, a sistematização e a construção crítica de conceitos que levem a uma conscientização postural ampla.
Ao relacionar-se ambiente escolar e postura, observa-se que a problemática é bem diversificada. As crianças e os adolescentes permanecem por um período de quatro a seis horas nas instituições escolares, convivendo com dificuldades ergonômicas no mobiliário com disposição e proporções inadequadas e, no transporte do material escolar. A exposição dos estudantes as acomodações inadequadas do meio escolar faz com que surjam problemas relacionados à postura dos mesmos.
Hoje se sabe que quanto mais precoce for à intervenção, maior a possibilidade de recuperação, evitando-se a instalação de desvios posturais que podem comprometer a saúde e, consequentemente, o rendimento escolar do aluno.

Regras básicas para usuários de computadores
- O monitor deve estar com sua parte superior ao nível dos olhos
- A distância do monitor e o operador devem ser equivalente á extensão do braço.
- Ajustar o monitor de maneira a evitar os reflexos da iluminação
- Os pés devem estar apoiados no chão ou em um suporte
- Os pulsos devem estar relaxados, porém sem estarem flexionados.
- Se há entrada de dados deve-se usar suporte para os documentos
- O usuário deve fazer pausas regulares para descanso
Juscely ferreira brandão
Marina dias de oliveira
Renata alves da silva
Tatiana aparecida
Aliny cristina dos santos

1 comentários:

Luciano O. Brito ( TST ) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário