28 de jan de 2011

Ergonomia correta pode aumentar a produtividade no trabalho

Um dos principais quesitos que influem na produtividade dos funcionários é, sem dúvida, o conforto no trabalho, mas sem deixar de lado a preocupação com a saúde dos trabalhadores

Várias empresas já estão de olho nesses fatores e investem em móveis planejados para o escritório, além de consultores e arquitetos. O objetivo é proporcionar uma ergonomia correta no ambiente de trabalho.

Investir em ergonomia significa prevenir problemas ocasionados pela má postura em funcionários. O retorno é na queda de afastamentos e no aumento da produtividade. Além disso, oferecer condições ergonômicas no escritório é previsto em lei, segundo a normativa NR 17 do Ministério do Trabalho e Emprego, que vigora desde 1990.

O primeiro passo em busca da ergonomia correta é mapear e planejar o mobiliário de acordo com as demandas e características exigidas pelo trabalho e pelos funcionários. Tudo deve ser estudado de modo que situações de desconforto causem menos impacto, como oferecer apoios para evitar trabalhos estáticos e diminuir atritos para não gerarem traumas.

Confira as dicas de ergonomia no trabalho:

• A altura do tampo da mesa deve ficar entre 72 e 78 centímetros do chão;

• Para evitar estrangulamento da circulação dos braços quando apoiados, a borda do tampo da mesa (parte arredondada) deve ser de 2,5 milímetros;

A distância média recomendada entre os olhos e a tela do computador é de 55 centímetros;

A parte superior da tela deve coincidir com a altura dos olhos, para evitar a projeção da cabeça para frente e a adoção de posturas críticas de trabalho;

Os cotovelos e antebraços devem estar apoiados no plano de trabalho e você deve estar sentado confortavelmente, com a coluna ereta;

O mobiliário deve ser regulável de forma a permitir um mínimo de alternância. Recomenda-se que mesas e cadeiras para uso do computador possuam regulagens simples e que possam ser facilmente localizadas para permitir a mudança da postura ao longo da jornada de trabalho.

Como manter a postura no computador

De tempos em tempos acabamos passamos mais tempo trabalhando do que descansando. Infelizmente esse é o ônus de encabeçar um novo empreendimento ou almejar aquela promoção que está por vir na sua empresa. Porém, só trabalhamos quando temos saúde, então não é bom deixar de lado este aspecto. Aí vão algumas dicas sobre ergonomia no trabalho, ou seja, a sua postura no seu computador.
 
Atenção: Faça os testes enquanto lê, para ver como cada movimento influencia MESMO na sua postura, e em consequência na sua saúde.
Cadeira
Quando queremos relaxar, vamos cada vez mais baixando as costas em direção à base da cadeira. Na verdade isto é um veneno, pois assim você põe todo o peso do seu tronco em uma coluna torta. Sempre deve-se sentar colocando as costas bem rentes com o encosto da cadeira.

Pés
Até os pés influenciam na sua postura. Eles devem estar firmes apoiados sempre à frente da cadeira. Quando você os coloca embaixo ou da cadeira ou não alcança o chão, você põe muito mais peso na coluna. Com os pés bem escorados, você distribui parte do sue peso nas suas pernas (faça o teste que você vai notar a diferença!).

Monitor
Momento cultura – no livro “Ética a Nicômaco”, o autor Aristóteles fala que as pessoas buscam sempre um meio-termo (nem covarde, nem imprudente, mas corajoso). Bem, o que monitor tem a ver com isso? Tudo! Ele não deve ficar nem acima da altura dos olhos, nem muito abaixo, mas em um meio-termo na altura dos olhos. O seu pescoço e Aristóteles agradecem. O ideal também é que a telinha fique a pelo menos 40cm do seu rosto. Contrastes também sempre ajudam na legibilidade.

Mouse
Seu cotovelo deve estar na altura da mesa aonde fica o mouse, senão você vai forçar muito mais a cada clique. A maioria dos casos de tendinite no pulso é causada por esse costume errado. Também não é recomendado deixar o mouse muito longe do corpo, pois dependendo da distância você tende a entortar coluna até alcançá-lo. E nada de quebrar o pulso para um lado ou para o outro. Pelo menos, não enquanto estiver usando o mouse.

Teclado
Esta ferramenta deve ficar exatamente na altura do seu antebraço, por questões parecidas com as do mouse. Caso vá copiar um documento, coloque de maneira próxima à posição do monitor, para que não tenha de estar se contorcendo todo cada vez que for ler uma frase.

Posição do computador: O monitor deve estar junto do teclado e do mouse, sempre. As pessoas tendem a ficar sempre com o corpo virado para o teclado, pois é mais fácil de digitar. Se você virar o corpo para ficar olhando o monitor com os pés virados para o teclado, note a posição em que fica a sua coluna – que acaba se parecendo mais com uma montanha-russa.

De tempos em tempos, levante-se, tome um café, e dê uma boa movimentada no corpo.

Pisque bastante os olhos, pois a leitura no monitor é mais cansativa do que em um livro comum.
Não chegue em casa e vá de novo para o computador. Nenhuma pessoa que passa 11h por dia no computador consegue ser 100% saudável.

Quem atender o telefone com o pescoço, vai apanhar!

Dores no corpo, sensação de cansaço ou até mesmo uma lesão por esforço repetitivo (LER) podem ter nascido dos longos trabalhos que você fez. Para uma maior produtividade, saúde e bem-estar, o melhor remédio sempre é prevenir.

Via. Produzindo.net

Ergonomia - Conceitos e Dicas Práticas

Introdução
 
A ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução surgida neste relacionamento.

Ergonomia no Ambiente da Computação

Os profissionais da Ciência da Computação devem cuidar o aspecto ergonômico do seu ambiente de trabalho, visto que problemas advindos do uso contínuo do computador sem levar em conta estes aspectos são mais freqüentes do que se pensa. Em geral, o trabalho com o computador é muito envolvente, o que acarreta um uso contínuo da máquina, em geral num ambiente fechado e muitas vezes sem a devida iluminação. A seguir, algumas dicas para a criação de um ambiente de trabalho de computação mais comfortável e por conseguinte, mais produtivo:
 
Iluminação: Para evitar reflexos, as superfícies de trabalho, paredes e pisos, devem ser foscas e o monitor deve possuir uma tela anti-reflexiva. Evite posicionar o computador perto de janelas e use luminárias com proteção adequada.
 
Cores: Equilibre as luminâncias usando cores suaves em tons mate. Os coeficientes de reflexão das superfícies do ambiente, devem estar em torno de: 80% para o Teto; 15 a 20% para o Piso; 60% para a Parede (parte alta); 40% para as Divisórias, para a Parede (parte baixa) e para o Mobiliário.
 
Temperatura: Como regra geral, temperaturas confortáveis, para ambientes informatizados, são entre 20 e 22 graus centígrados, no inverno e entre 25 e 26 graus centígrados no verão (com níveis de umidade entre 40 a 60%).
 
Acústica: É recomendável para ambientes de trabalho em que exista solicitação intelectual e atenção constantes, índices de pressão sonora inferiores à 65 dB(A). Por esse motivo recomenda-se o adequado tratamento do teto e paredes, através de materiais
acústicos e a adoção de divisórias especiais.
 
Humanização do ambiente: Sempre que possível humanize o ambiente (plantas, quadros e quando possível, som ambiente). Estimule a convivência social entre os funcionários. Muitas empresas que estão adotando políticas neste sentido vêm obtendo um aumento significativo de produtividade. Lembre-se que o processo de socialização é muito importante para a saúde psíquica de quem irá trabalhar nele.

Uso do Computador e Postura
 
Um outro fator que deve ser levado em conta é a postura do usuário frente ao computador. Freqüentemente não é levado em conta aspectos como as medidas da mesa onde esta instalado a máquina, a cadeira que o usuário usa, a distância entre o monitor de vídeo e o usuário entre outros. Estes aspectos são fundamentais para evitar doenças ocupacionais devido ao uso da máquina. A seguir, dicas importantes para a postura do usuário:
 
Conforto Visual: Para garantir o conforto visual, mantenha seu monitor entre 45 e 70 cm de distância e regule sua altura no máximo, até sua linha de visão. Isto pode ser feito através de um suporte de monitor, ou pela ulilização de mesas dinâmicas. Sempre que possível procure "descansar" a vista, olhando para objetos (quadros, plantas, aquários, etc...) e paisagens a mais de 6 metros.
 
Posição do braço: Assim como a altura do monitor, a do teclado também deve poder ser regulável. Ajuste-a até que fique no nível da altura dos seus cotovelos. Durante a digitação é importante que o punho fique neutro (reto). Mantenha o teclado sempre na posição mais baixa e digite com os braços suspensos ou use um apoio de punho.
 
Posição dos Pés: É importante que as pessoas possam trabalhar com os pés no chão. As cadeiras devem portanto, possuir regulagens compatíveis com as da população em questão. Para o Brasil, o ideal seriam cadeiras com regulagem de altura a partir de 36 cm. Quando a cadeira não permite que a pessoa apoie os pés no chão, a solução é adotar um apoio para os pés, que serve para relaxar a musculatura e para melhorar a circulação sanguínea nos membros inferiores.
 
Descanso para as Costas: Com excessão de algumas atividades, as cadeiras devem possuir espaldar (encosto) de tamanho médio. Uma maior superfície de apoio, garante uma melhor distribuição do peso corporal, e um melhor relaxamento da musculatura. É recomendável ainda, que as cadeiras não tenham braços (o apoio deve estar nas mesas, para garantir um apoio correto) e o revestimento deve ser macio e com forração em tecido rugoso.

Via. UFSM

21 de jan de 2011

Dicas de Ergonomia

Ergonomia é um conjunto de ciências e tecnologias que visa proporcionar a adaptação produtiva, confortável e segura entre o ser humano e o seu trabalho, basicamente procurando adaptar o trabalho às características do ser humano.

Mantenha boa situação em relação à mesa, à cadeira e ao computador

- Linha dos olhos na altura da borda superior do monitor.
- Monitor em frente ao usuário.
- Tronco apoiado.
- Cadeira com assento horizontalizado, borda anterior arredondada e giratória.
- Mobiliários que possibilitem formas de ajustes.
- Apoio para os pés.
- Evitar sentar-se em posturas forçadas.

Tenha muito cuidado com alguns esforços físicos, comuns em nossas casas.

- Em mudanças e na movimentação de móveis, procure ajuda.
- Nunca desça escadas carregando geladeira ou armários.
- Ao manusear botijão de gás, fique sempre em posição simétrica.
- Não levante uma criança que esteja longe do seu corpo, aproxime-se dela antes de fazer o esforço (cuidado especial com crianças dormindo no banco de trás do carro).
- Não carregue sozinho engradado de bebidas cheio.
- Ao fazer algum esforço em construção, não pegue sacos de cimento sozinho.

Via. Datalan

5 dicas de Ergonomia

1 - Tenha espaço: sua área de trabalho deve ter espaço suficiente para você e para os seus documentos e outros objetos de trabalho. Nada de trabalhar com as pernas pressionadas contra o tampo, o apoio ou o fundo da mesa, nem de se contorcer ou dar voltas para entrar ou mudar de posição, e muito menos de malabarismos para “fazer caber” todos os seus instrumentos de trabalho sobre a mesa.

2 - Teclado e mouse: se você ainda não sabe, aprenda a digitar como profissional, pois as técnicas herdadas da datilografia otimizam os movimentos. Posicione seu teclado em uma altura confortável -geralmente se recomenda que o seu cotovelo fique dobrado em ângulo reto, e o punho neutro (“reto”), portanto o teclado deve estar pouco abaixo da altura do cotovelo. Mesa com altura e posição reguláveis para o teclado é um luxo que você deve procurar ter, assim como teclados com posicionamento e distribuição de teclas que considerem a ergonomia. O mouse deve estar apoiado na mesma superfície do teclado, para reduzir a tração necessária para movimentar o braço até ele. Use as configurações do sistema operacional para obter conforto na movimentação do mouse. Se puder, experimente o uso de trackballs ou trackpads como substitutos do mouse.

3 - Temperatura: Em escritórios onde trabalham várias pessoas e há ar condicionado, as discussões sobre a regulagem dele são constantes. O melhor é definir uma temperatura padrão. No Brasil, costuma-se adotar como temperatura ideal para ambientes refrigerados no verão o intervalo entre 24 e 26 graus, e no inverno (quando há aquecimento) 20 a 22 graus. Façam uma vaquinha, comprem um termômetro e resolvam a questão de forma definitiva!

4 - Monitor: Posicione seu monitor entre 45cm e 70cm de distância em relação a seus olhos, nunca acima da linha de visão quando confortavelmente sentado com boa postura. Procure ter um suporte de monitor que permita reconfiguração fácil de ângulo e altura sempre que necessário, e lembre-se de fazer pausas, piscando intencionalmente e olhando para objetos a mais de 6m de distância, regularmente. Posicione o monitor de forma a remover a incidência de reflexos visíveis de janelas e lâmpadas, e regule o tamanho das letras e controles de forma a enxergá-los sem esforço.

5 - Notebooks: A conveniência de usar o notebook sobre as mais variadas superfícies (incluindo o seu colo) pode e deve ser aproveitada sempre que necessário. Mas se você o usa como instrumento de trabalho diário, o melhor é colocá-lo sobre a mesa e tratá-lo como um computador qualquer, preferencialmente providenciando um teclado e mouse externos, para poder posicioná-los de forma independente da tela, preservando assim as alturas e distâncias corretas.

Via. Marcos Kraide

18 de jan de 2011

Ergonomia no notebook: como tornar confortável o uso do equipamento

Ninguém discorda dos benefícios que a computação móvel proporciona. Com seu notebook, você pode estar sempre conectado, mesmo que não esteja fisicamente em seu escritório. Mas convenhamos: usá-lo durante muitas horas (e quem não faz isso?) pode acarretar uma série de problemas, inclusive as tais Lesões por Esforço Repetitivo (LER).

Basta prestar atenção para alguns detalhes para ver quanto seu uso pode ser prejudicial. O usuário com frequência encolhe o pescoço para poder ver algum detalhe na tela, ofuscado por algum reflexo.

O que dizer, então, de quem passa algumas horas usando o laptop no reduzido espaço da poltrona de um avião? Os braços ficam espremidos junto ao corpo e a posição que os pulsos devem assumir torna a digitação uma sessão de tortura.

Em recente artigo publicado no The Wall Street Journal, o médico Norman J. Marcus sentencia: “A não ser que você tenha meio metro de altura, os notebooks não oferecem qualquer ergonomia”. Saiba o que fazer para lidar, da melhor forma possível com esta situação.

NO ESCRITÓRIO / EM CASA
Felizmente, quem usa o notebook em casa ou no escritório tem melhores condições de lidar com a questão da ergonomia. Ainda assim, valem algumas dicas:

Teclado ergonômico
Em meados da década de 1990, um médico diagnosticou em mim um quadro típico de tendinite. Por quê? Excesso de digitação e uso de equipamentos sem qualquer preocupação com a questão ergonômica. Um especialista na “arte da ergonomia” recomendou-me, então, o uso do teclado M15, da Lexmark.
O pulo do gato reside no fato de que o teclado repartido diminuiria a tensão tanto nas mãos quanto nos pulsos do usuário. Acredite: não se trata de jogada de marketing: usei o modelo (que não é mais fabricado) por muitos anos, com bons resultados sobre o problema da dor.

Recentemente adotei um novo modelo, o Freestyle Solo (99 dólares), da Kinesis, disponível tanto para PC quanto para Mac. Diferentemente do modelo da Lexmark, as teclas do novo teclado são silenciosas e muito suaves de serem pressionadas. E as duas metadas estão separadas, sem articulação, o que permite colocar cada parte na posição que for mais confortável para o usuário.

Já usei outros teclados ergonômicos, como o Natural Ergonomic Keyboard, da Microsoft, mas o Freestyle Solo é o único que recomendo. Tudo bem: usar um modelo de teclado partido requer alguma prática, mas vale a pena.

TrackBall
Se você está expandindo sua ergonomia, então pare de se enrolar com um mouse. O especialista em ergonomia que consultei me indicou as trackballs. Elas são mais fáceis de usar, pois você não precisa segurá-las como faz com o mouse. Você apenas precisa mover a bola gentilmente com um ou mais dedos e clicar em um botão. Eu recomendo o Kensington Expert Mouse (média de 85 dólares), que apesar do nome é um trackball e não um mouse.

Monitor adicional
A não ser que seu notebook tenha uma tela de 17 polegadas, recomendo inserir um segundo monitor que tenha pelo menos este tamanho. Tenha certeza de posicioná-lo corretamente.

O uso de dois monitores também oferece benefícios para a produtividade. Você pode abrir seu e-mail em uma tela e seu navegador em outra, poupando você de precisar pular de uma em uma, ato que exige, no mínimo, pressionar uma combinação de botões no teclado. Ou ainda utilizar um monitor de grandes dimensões, que oferecem uma área maior de trabalho, melhorando o conforto do uso. Dell, LG, HP e Samsung possuem monitores LCD de 22 polegadas, com preços a partir de 600 reais.

EM VIAGEM
Usar o notebook fora do escritório (ou casa) limita as opções de ergonomia. Ligue antecipadamente para o hotel onde pretende se hospedar e converse com o gerente sobre as opções de mobília disponíveis no quarto. Hotéis que se focam em viajantes a trabalho estão dando mais atenção a esse problema e já oferecem cadeiras e mesas de escritório ergonômicas.

Se você for digitar bastante, considere levar um teclado portátil com você (e a trackball, se possível também). Alguns modelos, como o Atek OnBoard Keyboard (30 dólares), são especificadamente desenhados para viagens. E deixe sua tela elevada. Se você está usando um teclado portátil, eleve a tela do seu computador para que você não precise se curvar para vê-la. Você também pode apoiar seu notebook em cima da sua maleta se necessário.

Via. PC World

Ergonomia: Dicas para sua mesa de trabalho

Ergonomia é o estudo científico das relações entre homem e máquina, visando a uma segurança e eficiência ideais no modo como um e outra interagem. Ela tem relação direta com objetivos como a produtividade, eficiência, conforto no local de trabalho e prevenção de doenças ocupacionais como a LER/DORT (Lesão por Esforço Repetitivo ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho).

Neste último contexto, é muito importante lembrar que o posicionamento ergonômico do ambiente de trabalho não pode ser a única medida na prevenção destes males ocupacionais: é preciso ter disciplina, fazer pausas e exercícios, para saber mais, e procure um profissional habilitado para saber que outras medidas devem ser aplicadas ao seu caso.

Ainda assim, as questões da ergonomia do ambiente de trabalho imediato (a mesa ou estação de trabalho) são parte essencial deste esforço, e desempenham papel importantíssimo no conforto e produtividade nas atividades.

Nesta série que inicia hoje com as 5 dicas abaixo, veremos um conjunto de dicas que podem ser aplicados ao ambiente de trabalho de quem opera com computadores, seja em empresas ou nas atividades domésticas. Não as aplique incondicionalmente: verifique quais podem ser adotadas no seu caso, e procure adaptá-las à sua realidade – de preferência com a ajuda de um profissional habilitado.

Ergonomia: 5 dicas essenciais

Geralmente os textos de ergonomia começam com as informações sobre posicionamento e postura: ângulos, apoios, etc. Resolvi fazer diferente, e esta primeira parte de nossa série tratará de dicas mais específicas, deixando as gerais (e não menos importantes) para um capítulo futuro.

1. Tenha espaço: sua área de trabalho deve ter espaço suficiente para você e para os seus documentos e outros objetos de trabalho. Nada de trabalhar com as pernas pressionadas contra o tampo, o apoio ou o fundo da mesa, nem de se contorcer ou dar voltas para entrar ou mudar de posição, e muito menos de malabarismos para “fazer caber” todos os seus instrumentos de trabalho sobre a mesa.

2. Teclado e mouse: se você ainda não sabe, aprenda a digitar como profissional, pois as técnicas herdadas da datilografia otimizam os movimentos. Posicione seu teclado em uma altura confortável -geralmente se recomenda que o seu cotovelo fique dobrado em ângulo reto, e o punho neutro (“reto”), portanto o teclado deve estar pouco abaixo da altura do cotovelo. Mesa com altura e posição reguláveis para o teclado é um luxo que você deve procurar ter, assim como teclados com posicionamento e distribuição de teclas que considerem a ergonomia. O mouse deve estar apoiado na mesma superfície do teclado, para reduzir a tração necessária para movimentar o braço até ele. Use as configurações do sistema operacional para obter conforto na movimentação do mouse. Se puder, experimente o uso de trackballs ou trackpads como substitutos do mouse.

3. Temperatura: Em escritórios onde trabalham várias pessoas e há ar condicionado, as discussões sobre a regulagem dele são constantes. O melhor é definir uma temperatura padrão. No Brasil, costuma-se adotar como temperatura ideal para ambientes refrigerados no verão o intervalo entre 24 e 26 graus, e no inverno (quando há aquecimento) 20 a 22 graus. Façam uma vaquinha, comprem um termômetro e resolvam a questão de forma definitiva!

4. Monitor: Posicione seu monitor entre 45cm e 70cm de distância em relação a seus olhos, nunca acima da linha de visão quando confortavelmente sentado com boa postura. Procure ter um suporte de monitor que permita reconfiguração fácil de ângulo e altura sempre que necessário, e lembre-se de fazer pausas, piscando intencionalmente e olhando para objetos a mais de 6m de distância, regularmente. Posicione o monitor de forma a remover a incidência de reflexos visíveis de janelas e lâmpadas, e regule o tamanho das letras e controles de forma a enxergá-los sem esforço.

5. Notebooks: A conveniência de usar o notebook sobre as mais variadas superfícies (incluindo o seu colo) pode e deve ser aproveitada sempre que necessário. Mas se você o usa como instrumento de trabalho diário, o melhor é colocá-lo sobre a mesa e tratá-lo como um computador qualquer, preferencialmente providenciando um teclado e mouse externos, para poder posicioná-los de forma independente da tela, preservando assim as alturas e distâncias corretas.

Via. Efetividade.net

14 de jan de 2011

[VÍDEO] Dicas de ergonomia no trabalho

[VÍDEO] Ergonomia: Adaptação do trabalho ao homem

[VÍDEO] Postura certa no computador

[ANIMAÇÃO] Ergonomia no trabalho

13 de jan de 2011

O que é ergonomia?

A ergonomia, ou human factors (fatores humanos) ou human factors & ergonomics (fatores humanos e ergonomia), expressões pelas quais é conhecida nos Estados Unidos da América, é a disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema, e também é a profissão que aplica teoria, princípios, dados e métodos para projetar a fim de otimizar o bem-estar humano e o desempenho geral de um sistema.

Os ergonomistas contribuem para o projeto e avaliação de tarefas, trabalhos, produtos, ambientes e sistemas, a fim de torná-los compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas.

No Brasil, a formação em Ergonomia tem como ponto de partida alguns conteúdos no ensino técnico (liceu) e por disciplinas esparsas em varias graduações, mais frequentemente nos cursos de Desenho Industrial (Design) e Engenharia de Produção. Ela ocorre de forma mais efetiva através de cursos de especialização (pós-graduação lato sensu). Os programas destes cursos de especialização normalmente incluem conhecimentos básicos em Psicologia Sensorial, Cognitiva e Social, em Antropometria e Biomecanica, em Fisiologia Humana e do Trabalho, em Organização do trabalho acoplados a metodologias de projeto em Desenho Industrial (Design), Engenharia de Produção e Arquitetura, assim como em aplicações em Tecnologia da Informação. Algumas pessoas se instruem em Ergonomia através dos cursos de pós-graduação stricto sensu, que compreendem os mestrados em Desenho Industrial (Design) e em Engenharia de Produção com linha de pesquisa em Ergonomia, assim como os doutorados com esta mesma característica. Estes cursos aceitam graduados em áreas como o desenho industrial, engenharia, fisioterapia e psicologia, mas não conferem atribuição profissional, limitando-se a ter validade apenas acadêmica. Atualmente não existem cursos de mestrado ou de doutorado específicos em ergonomia no Brasil.

Via. Wikipédia

Ergonomia na sala de aula

Introdução
Este trabalho tem como objetivo expor os problemas que são encontrados na sala de aula, a partir da interação do aluno e seu ambiente escolar, tomando como base o estudo da ergonomia.
A ergonomia na educação contribui para o estudo da pratica pedagógica, analisando as adaptações que o aluno e o professor faz ao seu ambiente de trabalho, no caso a sala de aula.
Iremos observar os riscos ergonômicos encontrados na secretaria, e alguns métodos de prevenção.
  
ergonomia
A ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho ao homem. O trabalho não envolve somente o ambiente físico, mas também os aspectos organizacionais de como esse trabalho é programado e controlado para produzir resultados desejados.
Observa-se que adaptação sempre ocorre do trabalho para o homem. A recíproca nem sempre é verdadeira. Ou seja, é muito difícil adaptar o homem ao trabalho. Isso significa que a ergonomia parte do conhecimento do homem para fazer o projeto do trabalho, ajustando-o as capacidades e limitações humanas.
Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, ambiente e equipamento, e particularmente a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos desse relacionamento. (Ergonomics Research Society, Inglaterra).
Para realizar o seu objetivo a ergonomia estuda diversos aspectos do comportamento humano no trabalho e outros fatores importantes para o projeto de sistema do trabalho, que são:
O homem – características físicas, fisiológicas, psicológicas e sociais do trabalhador; influência do sexo, idade, treinamento e motivação.
Máquina – entende-se por máquina todas as ajudas materiais que o homem utiliza no seu trabalho, englobando os equipamentos, ferramentas, mobiliários e instalações.
Ambiente – estuda as características do ambiente físico que envolve o homem durante o trabalho, com a temperatura, ruídos, vibrações, luz, cores, gases e outros.
Informação – refere-se às comunicações existentes entre os elementos de um sistema, transmissões de informações, o processamento e a tomada de decisões.
Organização – é a conjugação dos elementos acima citados no sistema produtivo, estudando aspectos como horários, turnos de trabalho e formações de equipes.
Conseqüências do trabalho – aqui entram mais as questões de controles como as tarefas de inspeção, estudos dos erros e acidentes, além dos estudos sobre gastos energéticos, fadiga e strees.
Os objetivos práticos da ergonomia são a segurança, satisfação e o bem-estar dos trabalhadores no seu relacionamento com sistemas produtivos. A eficiência virá como resultado. Em geral a ergonomia visa, em primeiro lugar, o bem-estar do trabalhador.
Áreas de aplicação: Medicina, psicologia, sociologia, antropologia, antropometria, engenharias, arquitetura, design (produto, gráfico, ambientes, mobiliários, etc.)

Lesões resultantes de condições ergonômicas
As lesões resultantes de condições ergonômicas inadequadas são conhecidas como Lesões por Esforço Repetitivo (LER), Distúrbios Ósteo-musculares Relacionados ao Trabalho (DORT) ou Lesões por Movimentos Repetitivos (LMR). As causas para estas lesões são o trabalho prolongado envolvendo movimentos repetitivos, movimentos forçados e posturas incômodas. As LER são lesões dolorosas e freqüentemente incapacitantes, que afetam principalmente os punhos, costas, pernas, ombros, pescoço, músculos e articulações.
Condições ambientais adequadas são importantes para o completo bem estar dos trabalhadores e a produtividade.
Uma área de trabalho que é muito fria ou muito quente, pouco iluminada, barulhenta, pouco ventilada, ou com odores desagradáveis, causa aborrecimento, stress, fadiga, cansaço visual, dor de cabeça e outros problemas. Em casos extremos, um ambiente inadequado no escritório pode causar doenças.
As lesões e doenças relacionadas com condições ergonômicas inadequadas podem ser prevenidas, fazendo com que o local e a organização do trabalho se ajuste às necessidades físicas e mentais de cada trabalhador individualmente.

Métodos e Técnicas
A Ergonomia utiliza métodos e técnicas científicas para observar o trabalho humano. A estratégia utilizada pela Ergonomia para apreender a complexidade do trabalho é decompor a atividade em indicadores observáveis (postura, exploração visual, deslocamento). A partir dos resultados iniciais obtidos e validados com os operadores, chega-se a uma síntese que permite explicar a inter-relação de vários condicionantes à situação de trabalho.

Ergonomia e Pedagogia
A ergonomia estuda a adequação do trabalho ao ser humano e pode contribuir para a melhoria de processos, produtividade, ambiente de trabalho, dentre outros.
A ergonomia em educação ainda é um campo de estudo que tem muito a contribuir no que se refere à prática pedagógica.
Neste sentido, devemos observar como a ergonomia se relaciona com a educação e quais as contribuições que ela pode proporcionar ao ambiente escolar e, consequentemente, como pode ajudar a melhorar o rendimento escolar do aluno e a qualidade do trabalho do professor.
Assim, é tarefa da Ergonomia Educacional, ser um referencial para implementar ações pedagógicas que constituem a base do Programa de Conscientização Postural na Escola (PCPE). Aplicados aos fundamentos, conceitos, referencial teórico e metodológicos da Pedagogia Postural.
O Conceito da Pedagogia Postural tem por objetivo desenvolver nas Escolas, com apoio do Programa de Conscientização Postural na Escola (PCPE), palestras educativas que possam gerar consciência crítica acerca dos problemas que afetam a postura corporal dos alunos, alterando sua estrutura musculoesquelética e, servindo de instrumento para prevenção de lesões e dores associadas que podem comprometer o rendimento escolar.
Neste sentido, apoiado nos fundamentos da Pedagogia Postural, procuramos discutir, analisar e mostrar aos alunos posturas corretas que devem ser adotadas para uma melhor interação com os instrumentos pedagógicos que diariamente os jovens utilizam, tais como: o mobiliário escolar, a mochila, o computador, como pegar e transportar objetos pesados, situações do dia-a-dia, etc.
A Pedagogia Postural tem como objetivo a reflexão, ordenação, a sistematização e a construção crítica de conceitos que levem a uma conscientização postural ampla.
Ao relacionar-se ambiente escolar e postura, observa-se que a problemática é bem diversificada. As crianças e os adolescentes permanecem por um período de quatro a seis horas nas instituições escolares, convivendo com dificuldades ergonômicas no mobiliário com disposição e proporções inadequadas e, no transporte do material escolar. A exposição dos estudantes as acomodações inadequadas do meio escolar faz com que surjam problemas relacionados à postura dos mesmos.
Hoje se sabe que quanto mais precoce for à intervenção, maior a possibilidade de recuperação, evitando-se a instalação de desvios posturais que podem comprometer a saúde e, consequentemente, o rendimento escolar do aluno.

Regras básicas para usuários de computadores
- O monitor deve estar com sua parte superior ao nível dos olhos
- A distância do monitor e o operador devem ser equivalente á extensão do braço.
- Ajustar o monitor de maneira a evitar os reflexos da iluminação
- Os pés devem estar apoiados no chão ou em um suporte
- Os pulsos devem estar relaxados, porém sem estarem flexionados.
- Se há entrada de dados deve-se usar suporte para os documentos
- O usuário deve fazer pausas regulares para descanso
Juscely ferreira brandão
Marina dias de oliveira
Renata alves da silva
Tatiana aparecida
Aliny cristina dos santos

11 de jan de 2011

[VÍDEO] Tecnologia educacional

Mudanças no mobiliário escolar

Em audiência pública realizada pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), representantes da autarquia e da indústria de móveis debateram melhorias na produção de mesas e cadeiras ergonômicas para alunos e professores da rede pública de ensino.

Entre as mudanças propostas, destacam-se a eliminação de vãos nos assentos e novas medidas para o encosto das cadeiras. Também foram sugeridos a troca do sistema de fixação do tampo das mesas, que passará a ser preso com buchas, e o redesenho da curvatura do anteparo do porta-livro. As alterações valerão a partir de 2011, quando será homologado o novo pregão eletrônico de registro de preços para aquisição do mobiliário escolar por estados e municípios.

O processo de padronização do mobiliário escolar no Brasil é irreversível, o que só aumenta nossa responsabilidade em propor melhorias contínuas”, diz José Carlos Freitas, diretor de administração e tecnologia do FNDE. “A compra centralizada por meio da ata de registro de preços cria um parâmetro de eficiência para o mercado.

Ergonomia – As especificações do mobiliário escolar decorrem de acordo entre a autarquia e a Fundação de Desenvolvimento da Educação (FDE), de São Paulo, que cedeu o projeto de móveis escolares baseado na regulamentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O mobiliário é composto pelo conjunto do aluno (carteira e cadeira), conjunto do professor (mesa e cadeira) e por mesa acessível para estudantes cadeirantes, todos concebidos ergonomicamente, para atender a educação básica. A carteira e a cadeira do aluno encontram-se disponíveis em três tamanhos, conforme a estatura do estudante.

Assessoria de Comunicação Social do FNDE

O manual com as especificações do novo mobiliário pode ser baixado neste link.

Via. Revoluti

Fique de olho na postura: a ergonomia no computador

A postura correta

Se você costuma atender ao telefone enquanto trabalha no computador, tenha cuidado. Nunca segure o fone entre a orelha e ombro, pois isso tensiona a região e pode causar dores. O correto é parar com a tarefa no computador ou então utilizar um headset durante a conversa ao telefone.

Nunca deixe o monitor em uma posição lateral de onde está sentado. O indicado é que você o mantenha em sua frente, com a parte superior alinhada na altura dos olhos. Desta maneira, você mantém a coluna ereta e não sobrecarrega os músculos.

Também é importante manter a coluna reta na cadeira, encostada completamente no encosto. Nunca relaxe e "deite", afastando a região lombar do apoio. Na posição correta, você ficará confortável e não tensionará nenhuma parte da coluna.

Tenha atenção com a posição dos cotovelos em relação ao pulso. Eles não devem estar abaixo desta linha, pois isto tensiona os dedos e o punho, podendo causar tendinites na região. Para manter o cotovelo em um ângulo de 90º com o ombro, é importante deixá-lo apoiado no braço da cadeira.

Uma parte do corpo que nem todos dão importância, mas que deve ser ressaltada, é a dos pés.

Mesmo se a pessoa estiver na posição correta, mas os pés não alcançarem o chão, ela poderá sofrer as consequências. A maneira correta de se posicionar é manter as costas apoiadas por completo na cadeira, e caso os pés não alcancem o chão, utilizar um suporte apropriado, ou então improvisar com uma lista telefônica, por exemplo.

Outras dicas

Teclado e mouse devem estar no mesmo nível na mesa. Caso o mouse esteja em uma altura superior, o seu uso contínuo sobrecarrega os ombros e o cotovelo. Quem digita textos de livros para o computador, por exemplo, também deve ter atenção no posicionamento das folhas. Não é recomendado deixá-las sobre a mesa, pois esta posição tensiona o pescoço. Para esses usuários, existem suportes para serem afixados ao lado do monitor, que permitem uma leitura melhor, sem afetar a postura.

Depois de duas horas de trabalho, é extremamente recomendável que o usuário pare por 10 ou 15 minutos e faça alongamentos. Organize suas tarefas para que isso seja possível e saiba que, se você ainda não está acostumado, deverá adquirir esta disciplina. Ao longo do tempo, seu corpo agradecerá.

 Não use o computador no escuro. Isso força a vista, já que os olhos em um ambiente escuro focados diretamente em uma tela clara faz com que as pupilas se dilatem mais do que o normal. Com a luz acesa, ou com o ambiente claro, a sua pupila trabalha de maneira correta. 

10 de jan de 2011

Computador e ergonomia

Como a ergonomia atua no uso do computador?

Atualmente, o uso do computador nas indústrias é uma realidade presente e necessária. A intervenção ergonômica no ambiente de trabalho é importante, juntamente com outras ações de promoção de saúde nas empresas, para a diminuição de sintomas de dor e desconforto, e consequente redução do índice de afastamentos envolvendo usuários de computador. As medidas de prevenção e intervenção atuam diretamente na adequação da postura corporal do usuário de computador, determinando um resultado satisfatório para a política de gestão de saúde e segurança do trabalho das indústrias.

A ergonomia tem o objetivo de melhorar as relações entre o homem e o seu ambiente de trabalho, incluindo os equipamentos utilizados para a execução de suas tarefas, como o computador. Sendo assim, pode-se dizer que a utilização de equipamentos ergonomicamente adequados é de importância fundamental quando se trata da saúde e conforto dos usuários de computadores.

Quais os benefícios alcançados através de uma correta intervenção ergonômica no uso do computador?

O desenvolvimento de uma boa ergonomia entre o homem e o computador pode proporcionar a redução no tempo de aprendizado das tarefas, aumento na velocidade de execução das mesmas, diminuição na incidência de erros e aumento da satisfação do empregado durante a realização do seu trabalho.

Quais os efeitos prejudiciais do uso inadequado do computador?

O uso do computador sem a correta adequação ergonômica do posto de trabalho é prejudicial à saúde do empregado, sendo um fator de risco importante para o desenvolvimento de doenças ocupacionais comuns a esta função, realidade que interfere negativamente no ritmo operacional das indústrias.

A utilização de computadores nas empresas é realizada quase sempre de modo inadequado, por longos períodos de tempo e em atividades repetitivas. O esforço visual, o uso do teclado e mouse e a manutenção da postura sentada por tempo prolongado, provocam a sobrecarga e tensão em músculos de várias partes do corpo, ocasionando dores, principalmente no pescoço, ombros, punhos e mãos, joelhos e costas.

Quando se trabalha no computador por muitas horas seguidas pode ocorrer fadiga ocular e mental, dores musculares e tendinites. O uso prolongado do computador pode ainda causar dores nas costas, ardência nos olhos, dor nas mãos, inchaço nos cotovelos e problemas no ombro.

Quais são as características do posto de trabalho que estão relacionadas ao uso adequado do computador?

Existem algumas características relacionadas ao posto de trabalho dos usuários de computador que devem ser analisadas e alteradas, através da intervenção ergonômica, se necessário. Entre elas, destacam-se:

• Monitor – o limite superior do monitor de vídeo deve estar posicionado bem em frente aos olhos do usuário, a uma distância de pelo menos 40 centímetros para se evitar problemas de vista. A distância entre o monitor e qualquer documento que precise ser consultado durante o trabalho deve ser a menor possível, de modo a evitar movimentos desnecessários do pescoço.

• Cadeira – é o principal item a ser analisado para quem utiliza o computador por longos períodos durante o dia. A cadeira ideal deve possuir apoio para a parte inferior das costas (região lombar), rodízios e partes ajustáveis às características físicas de cada usuário, como por exemplo, o encosto e a altura do assento.

• Teclado e mouse – o teclado e o mouse devem estar posicionados na altura dos cotovelos. São dispositivos que influenciam diretamente a saúde do trabalhador, aumentando ou diminuindo a fadiga muscular. Devem ser utilizados teclado e mouse ergonômico, incluindo apoio para os punhos, com o objetivo de diminuir o esforço realizado pelos membros superiores. A base para o teclado e mouse deve ser regulável e posicionada na altura da cintura, permitindo que a mão e o antebraço fiquem alinhados.

• Posição das mãos – durante o trabalho é importante que o punho fique reto, podendo ser utilizados apoios para os cotovelos. Os dedos devem estar levemente flexionados durante a digitação e os braços devem permanecer junto ao corpo.

• Posição dos pés – a posição dos pés também é uma recomendação importante para o relaxamento dos músculos e para melhorar a circulação do sangue nas pernas. Portanto, os pés devem estar bem apoiados no chão ou deve-se adotar um apoio. O apoio para os pés deve ser utilizado principalmente quando não se consegue apoiar corretamente os pés no solo.

• Iluminação – os ambientes mais adequados para o trabalho com computador são aqueles bem iluminados, preferencialmente pela luz do sol. A fonte de luz não deve nunca estar localizada atrás do usuário, evitando reflexos na tela. A iluminação artificial deve vir preferencialmente de cima e um pouco atrás do monitor. A luminosidade e o contraste da tela também devem ser regulados, evitando esforço visual desnecessário.

Via. Trabalhando com saúde e segurança

Dicas ergonomicas para alunos

Pés apoiados no chão, com os joelhos formando um ângulo de 90 graus, quadris postados bem no fundo da cadeira, alinhando a coluna no encosto e evitando escorregar como se fosse um “saco de batatas”. Assim devem se posicionar os estudantes quando estão sentados, assistindo aulas, recomenda a fisioterapeuta Maria Luiza Biton Gutierrez, diretora do Instituto de Fisioterapia Analítica. Ainda incipiente nas escolas, a preocupação com a ergonomia dos alunos exige “uma ação mais séria de prevenção postural, contribuindo para uma correta formação estrutural do indivíduo para toda a sua vida”, aponta. A atenção deve envolver não apenas o sentar, mas o próprio deslocamento, considerando principalmente os pesos das mochilas e a forma de carregá-las.

Segundo a fisioterapeuta, as crianças e adolescentes apresentam uma estrutura física em formação (músculos, ligamentos, tendões e articulações), “uma fase totalmente plástica”. “Na infância, a criança está em plena programação do seu cérebro, e destas programações vai depender todo o seu contexto neuropsicomotor, os reflexos posturais, enfim, a base que vai constituí-lo no adulto que será.” O alinhamento da coluna, o uso de materiais adequados para preservar a função das articulações e orientações corretas para as atividades diárias permitem “um bom crescimento dos tecidos” e que as estruturas sejam “fabricadas dentro de um molde anatômico e funcional saudável”.

O Sieeesp (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo) costuma orientar as associadas para que incluam, no pedagógico, um programa de conscientização “a fim de incentivar posturas corretas, não só na sala de aula, na carteira escolar, mas em frente ao computador e em relação ao peso das mochilas”, diz a assessora Marlene Schneider, do Departamento Pedagógico. Outra recomendação é adquirir mobiliário que atenda às normas da ABNT. São elas as NBR’s 14006/97 e 14007/97, que dão parâmetros para a produção do conjunto do aluno, do professor e estudantes com necessidades especiais. É preciso respeitar a idade e o tamanho dos alunos, já que o mercado dispõe “de material específico para as escolas de educação infantil, fundamental e médio”.

Na Prima Escola Montessori de São Paulo, a compra dos móveis requer um cuidado especial, pois sua metodologia de ensino agrupa as salas por ciclos e não séries, reunindo estudantes com idades e tamanhos diferenciados em uma mesma turma. “Isso nos impõe pelo menos três padrões de altura de mesas e cadeiras”, afirma a diretora pedagógica Edimara de Lima, que resolveu também adaptar o tamanho da superfície das mesas dos alunos, ampliando- -o para 90 centímetros de comprimento. “Eles reclamavam que mal cabia um caderno universitário sobre as mesas”, lembra. Outro cuidado é oferecer apoios para os pés daqueles que não conseguem alcançar o chão e orientar quanto ao peso das mochilas.

Há cerca de dois anos, a escola promoveu uma “vistoria” surpresa na mochila de cada estudante, quando Edimara pesou cada uma das bolsas, encontrando mochilas com até 12 quilos (recomenda-se um teto entre dez a 15% do peso corporal). Para a fisioterapeuta Maria Luiza, é importante também orientar os estudantes a alternarem a forma de carregá-la, “ora na frente, segurando com os braços, ora utilizando as alças e a pendurando para trás”. (R.F.)
 

6 de jan de 2011

Dicas de postura

1. A cadeira deve ser regulada conforme a dimensão do seu corpo;

2. A altura ideal de uma mesa de trabalho deve ser aproximadamente 5 cm superior a altura do cotovelo;

3. Ao sentar procure colocar o quadril (bumbum) o mais próximo do encosto da cadeira;

4. Mantenha os pés apoiados no chão ou em uma rampa ITC e nunca fique com eles suspensos;

5. Os joelhos devem ficar na mesma altura do quadril ou um pouco mais alto, onde as coxas fiquem apoiadas suavemente na cadeira, formando um ângulo reto;

6. Mantenha a coluna reta, evitando que a mesma seja projetada para frente, pois está é a pior posição para a coluna vertebral;

7. Mantenha o monitor na altura dos olhos para que a coluna cervical fique em posição neutra . A melhor posição para a tela do computador é 15 graus para baixo da linha horizontal e a aproximadamente 40 a 70 cms. de distância dos seus olhos;

8. Se você costuma ler documentos enquanto digita, use um suporte para leitura, pois assim você pode prevenir movimentos combinados do pescoço e tronco que, com o tempo, podem causar dor;

9. A sua cadeira deve possuir braços reguláveis para apoiar os cotovelos. Caso sua cadeira não tenha braços reguláveis, use a sua mesa como apoio, mas nunca deixe seus braços suspensos; 

10. Utilize um apoio ITC nos punhos para evitar lesões por esforço repetitivo (LER);

11. Se utilizar óculos de lente progressiva, mantenha o monitor abaixo da linha horizontal do olhar para evitar uma extensão exagerada da coluna cervical (postura do olhar pra cima);

12. Evite permanecer mais de 45 minutos sentado sem se levantar;

Dor nas costas: vícios de postura e falta de ergonomia

A grande maioria das queixas de dores nas costas está relacionada aos vícios de postura e à falta de ergonomia no trabalho e no cotidiano, segundo especialistas do Grupo Medicina da Coluna. "Não podemos responsabilizar um único ato ou hábito como os principais vilões para as dores, geralmente há um somatório de causas que culminam com as dores crônicas ou mesmo as crises agudas", dizem.

Eles também apontam a obesidade, o sedentarismo e o hábito de fumar como fatores que aumentam as chances de uma pessoa sofrer dor nas costas. De acordo com os profissionais, aqueles que têm uma vida ativa fisicamente, peso adequado e postura correta no trabalho correm menos risco de desenvolver essas dores.

"A má postura é a grande vilã das dores nas costas. Muitas vezes achamos que estamos confortáveis, mas, na verdade, essa sensação não garante que a coluna esteja 'protegida'. É preciso prestar atenção principalmente na maneira como sentamos e como nos postamos nas atividades em que ficamos muito tempo na mesma posição ou em atividades repetitivas," explica o ortopedista Jefferson Galves, especialista em doenças da coluna vertebral.


Via. SantosCity

[VÍDEO] Má postura causa dores

[VÍDEO] Prevenção de problemas na coluna

Mudança na padronização dos moveis escolares na rede publica em 2011

Em audiência pública realizada pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) dia 26 de Outubro, em São Paulo, representantes da autarquia e da indústria de móveis debateram melhorias na produção de mesas e cadeiras ergonômicas para alunos e professores da rede pública de ensino.
 

Entre as mudanças propostas, destacam-se a eliminação de vãos nos assentos e novas medidas para o encosto das cadeiras. Também foram sugeridos a troca do sistema de fixação do tampo das mesas, que passará a ser preso com buchas, e o redesenho da curvatura do anteparo do porta-livro.
As alterações valerão a partir de 2011, quando será homologado o novo pregão eletrônico de registro de preços para aquisição do mobiliário escolar por estados e municípios.
 

“O processo de padronização do mobiliário escolar no Brasil é irreversível, o que só aumenta nossa responsabilidade em propor melhorias contínuas”, diz José Carlos Freitas, diretor de administração e tecnologia do FNDE. “A compra centralizada por meio da ata de registro de preços cria um parâmetro de eficiência para o mercado.”
 

As especificações do mobiliário escolar decorrem de acordo entre a autarquia e a Fundação de Desenvolvimento da Educação (FDE), de São Paulo, que cedeu o projeto de móveis escolares baseado na regulamentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O mobiliário é composto pelo conjunto do aluno (carteira e cadeira), conjunto do professor (mesa e cadeira) e por mesa acessível para estudantes cadeirantes, todos concebidos ergonomicamente, para atender a educação básica. A carteira e a cadeira do aluno encontram-se disponíveis em três tamanhos, conforme a estatura do estudante.

Via. Artigonal / Dimovesc

5 de jan de 2011

Má postura é causadora de sérios problemas na coluna

São milhares as pessoas que sofrem com os problemas de má postura. Em casa, no trabalho, na escola, horas em uma posição inadequada podem causar sérias doenças na coluna. Estes problemas podem aparecer em qualquer idade é são precisos cuidados, sob orientação médica, para que mais tarde o tratamento não seja longo e doloroso.

Segundo o ortopedista Vitor Alves da Silva, os problemas de postura vão depender da idade de cada um. Nos adolescentes, por exemplo, o mais comum é o dorso curso doloroso. Ele se manifesta com uma dor nas costas e é preciso ser trabalhada a postura do adolescente em relação ao mobiliário que utiliza. "É preciso que ele use uma cadeira e mesa adequadas. Além disto, precisa passar pelo Programa de Reeducação Postural Global-RPG. Este tipo de problema também acomete o adulto jovem", destaca Vitor Alves.

As pessoas acima dos 40 anos costumam sofrer com as chamadas doenças degenerativas. São as artroses, que surgem na coluna na altura lombar. Ela causa um desgaste nas articulações. Uma de suas causas são as predisposições familiares, ou seja, é genética. Outras causas são a má postura por longa data, atividades de impacto e sobrecarga na coluna também de longas datas.

O tratamento também consiste em uma reeducação da postura acompanhado de fortalecimento muscular, através da musculação terapêutica, evitando impactos ou o mais moderno que é o pilates. O pilates são equipamentos onde o uso pode ser orientado por educadores físicos ou fisioterapeutas.

Outras causas mais comuns de doenças na coluna são: tumores, doenças discais (hérnias de disco), espandilolitese (escorrega-mentos de uma vértebra em relação à outra), dores nas costas causadas pela coluna. "É preciso tratar a causa básica e procurar o especialista o quanto antes. Além disto, é recomendado controle do peso, atividade física regular, combate ao tabagismo e ergonomia", comenta o médico.

Via. Portal GTerra

80% das crianças têm dores nas costas devido ao excesso de peso da mochila escolar

Hoje em dia é comum notarmos crianças que apresentam alterações posturais, e que podem ser responsáveis pela diminuição do interesse do estudante pelas atividades propostas em sala de aula.

Os padrões posturais assumidos em sala de aula são muito importantes. Estudos demonstram que a maioria das crianças senta na maior parte do tempo com o tronco flexionado, utilizam a mão sobre o queixo durante as atividades na carteira escolar na tentativa de aliviar o peso da cabeça e a maioria apresenta queixas na região do pescoço e da cabeça.

As mochilas dos estudantes têm peso superior ao recomendado para o seu corpo. *Cerca de 80% das crianças entre 8 a 10 anos já apresentam dores nas costas. O transporte de carga excessiva na mochila escolar pode levar os estudantes a ter sequelas severas em sua saúde, incluindo dores na coluna, alterações na marcha e má postura.

Pelo fato de serem crianças, e não adultos, o esqueleto está em fase de formação, sendo mais susceptível a deformações e as estruturas músculoesqueléticas, apresentam menor suportabilidade à carga. O excesso de peso é um fator causador da lordose lombar, pois altera a linha do quadril em função do abdômen proeminente. Hábitos posturais incorretos adotados desde o ensino fundamental são motivos de preocupação.

A postura adequada na infância ou a correção precoce de desvios posturais nessa fase possibilitam padrões posturais corretos na vida adulta, pois esse período é da maior importância para o desenvolvimento músculoesquelético do indivíduo com maior probabilidade de prevenção e tratamento dessas alterações posturais na coluna vertebral.

Problemas físicos que podem acometer crianças e adolescentes e que têm início na fase de crescimento constituem fator de risco para disfunções da coluna vertebral irreversíveis na fase adulta.
A idade escolar compreende a fase ideal para recuperar disfunções da coluna de maneira eficaz. Após esse período, o prognóstico torna-se mais difícil e o tratamento mais prolongado, pois a ossatura e a musculatura já estão formadas.

Hoje em dia, a prevenção é uma área de grande crescimento na saúde e a fisioterapia preventiva transformou-se em um dos grandes diferenciais na escola.

O fisioterapeuta tem um papel fundamental no diagnóstico e tratamento de distúrbios do desenvolvimento, avaliando e identificando qualquer alteração no quadro neuropsicomotor. A intervenção desse profissional visa estabelecer e/ou restabelecer a funcionalidade do movimento, trabalhando no sentido de ensinar à criança posturas e **movimentos funcionais, principalmente através da promoção de experiências motoras adequadas. A fisioterapia preventiva escolar ainda representa um campo novo, mas de grande importância no processo do desenvolvimento da criança e do adolescente.

Via. Viaseg

A postura correta

O Dr. Mauro Bosi, ortopedista do Fusame - Hospital Municipal de Americana, interior de São Paulo explica que para se ter uma postura correta é preciso praticar atividade física regularmente, corrigir sempre a própria postura nas atividades diárias domésticas e/ou profissionais, mantendo a coluna ereta o tempo todo.

Existem três desvios na coluna, relata Dr. Bosi, que são a escoliose, a cifose e a lordose, os quais podem ser congênitos ou adquiridos. Segundo ele, são problemas físicos que podem ser tratados conservadoramente com fisioterapia e/ou coletes, ou, quando o caso requer, com tratamento cirúrgico. A má postura leva inicialmente a dor e depois a uma deformidade que pode tornar-se irreversível (geralmente em pacientes idosos), acrescenta.

Atividades e postura

São vários os tipos de trabalho que obrigam a pessoa a manter certas posições do corpo durante muito tempo e que podem acarretar problemas posturais. Os dentistas, os ourives, os digitadores, os estivadores, entre outros, podem ter sua postura afetada pelo trabalho. Dr. Bosi lembra que, na verdade, todos os trabalhos, sejam eles em pé ou sentados, necessitam de uma ergometria correta (posição e tamanho da cadeira, da mesa, do computador, do teclado, etc...) para prevenir defeitos posturais. Assim, qualquer postura que não obedeça a esses princípios pode acarretar problemas.

Uma pessoa que se senta de maneira encurvada, em uma cadeira inadequada para costurar ou digitar pode vir a ter problemas no cóccix. Esse problema pode ser corrigido como? A dor no cóccix pode acontecer por sobrecarga local (sentar-se por muito tempo) ou queda sentado, responde Dr. Bosi. O tratamento é feito com analgésicos, antiinflamatório e calor local. A pessoa deve ainda procurar sentar-se, daí por diante, em lugar macio.

Que são métodos cinésioterapêuticos e como se aplicam para a postura? Cinesioterapia é a terapia através dos movimentos (exercícios de uma forma geral) e amplamente utilizada na correção da postura, relata o médico. Além disso, ioga, alongamentos musculares, reeducação postural global (da Escola Francesa), hidroterapia, são recursos que podem auxiliar. 

As crianças, a escola e o lazer

O que os pais devem ensinar à criança para que ela tenha uma boa postura? O pé chato tem alguma relação com isto?, são perguntas que os pais se fazem. O Dr. Bosi diz que o pé chato nada tem a ver com postura incorreta. As crianças devem ser alertadas ao sentar para estudar, ver tv e vídeo games, carregar materiais escolares pesados de um lado só do corpo, e outras posturas incorretas do dia-a-dia. Devem ter o hábito de praticar qualquer atividade física o mais precocemente possível, dando preferência a esportes aquáticos.

O peso das mochilas deve ser regularmente vistoriado pelos pais, pois este é um problema muito sério e que as escolas devem prestar bastante atenção. Uma criança que porta quatro cadernos e mais quatro livros didáticos, além de lanche e outros acessórios, está carregando diariamente um peso demasiado grande para seu porte físico. É preciso uma campanha junto a pais e professores e é direito dos pais questionarem a escola sempre que a criança for obrigada a transportar (muitas vezes em longos trajetos da casa até a escola) um volume excessivo de material escolar.

Em casa, outro problema que pode influir na postura é a permanência da criança em frente ao computador, jogando vídeo game ou navegando na Internet. Essa criança - isso vale também para o adulto - deve ser ensinada a ter os pés apoiados em uma superfície sólida, coxas paralelas ao solo e ajustar a cadeira de modo que fique bem encostado na parte de trás, com os joelhos dobrados em ângulo de 90º, diz a Dra. Tricia Lyons, fisioterapeuta da Health Corp. Consulting, na California State University, EUA.

Doenças ligadas à postura

Uma doença se desenvolve como resultado do desgaste dos tecidos do corpo - juntas, ligamentos, tendões, nervos e músculos, relata Dra. Tricia. A postura, a repetição e os movimentos onde há constante esforço são fatores que propiciam a LER (Lesão por Esforço Repetitivo), como os vídeo games.

Normalmente, afirma a médica, duas horas por dia de trabalho no computador não significarão um risco de adquirir LER. No entanto, a maioria das pessoas usa computador pelo menos de quatro a dez horas por dia, pois o fazem tanto em casa quanto no trabalho. A Dra. Tricia recomenda que essas pessoas façam um registro do tempo que despendem no computador. Com isso, ela acredita que vão perceber que passam tempo demais na posição sentada e que precisam intercalar atividades para não contraírem LER ou outra doença relacionada à postura.
 
Escolhendo um profissional

Encontrar o profissional ideal para tratar de assuntos relacionados às dores e aos problemas de coluna, à má postura, e principalmente às lesões por esforço repetitivo (LER) não é tarefa tão fácil. Dependendo do problema, ele pode ser mais bem detectado pelo ortopedista, reumatologista, pelo fisioterapeuta, por um médico do trabalho, um clínico geral ou um neurologista. Como as dores lombares e outros males afetando a coluna podem ter diversas causas, é preciso encontrar um profissional que dê um diagnóstico 100% eficaz.

Nesse caso, as perguntas que uma pessoa deve fazer a si mesma são:

- Meu médico faz parte do plano de saúde que eu possuo? (caso tenha plano de saúde).

- Meu médico tem horários compatíveis com os meus?

- Onde posso encontrar meu médico, em caso de emergência?

- Tenho tempo durante a consulta, ou sinto que estou sendo apressado?

- Posso abrir-me com ele naturalmente?

- Ele me explica e me faz perguntas de maneira que eu possa entender?

- Sinto-me confortável durante a consulta e recebo atenção?

Cuidados no trabalho

Pessoas que executam serviço repetitivo (digitar, levantar e abaixar maquinários, etc) tendem a ser acometidas de LER. As empresas já estão se dando conta de que os afastamentos e as trocas de funcionários por lesões repetitivas não trazem benefício nem a elas próprias, nem aos empregados. Para que isto não ocorra, há corporações hoje que já se preocupam com a altura certa das cadeiras, das bancadas, dos maquinários, e fazem um acompanhamento mais acurado quanto à postura e a força do empregado no momento do trabalho. Outras empresas chegam a contratar especialistas para promover momentos de alongamento entre os funcionários, o que pode ser muito útil na prevenção postural e de doenças da LER.

Além disto, mudar o empregado de setor é uma alternativa, bem como oferecer intervalos regulares no trabalho. Esses intervalos, ao contrário do que pensam alguns empresários, fazem com que o rendimento e a atenção do trabalho aumentem.   

O repouso

O sono mal dormido (tenso) pode influir na postura? Qual o tipo de colchão mais adequado para um bom repouso? O que há de verdade e de mentira nos anúncios sobre colchões?

O Dr. Bosi diz que o colchão tem que ser plano, não duro, e o estrado reto. Não há necessidade de comprar "colchão ortopédico", mas um bom colchão, que a pessoa mesma deve experimentar ou vistoriar atentamente no ato da compra. Por outro lado, um colchão de má qualidade, com espuma muito fina, por exemplo, em pouco tempo pode ser responsável pelo cansaço que a pessoa tem na hora de acordar e ao longo do dia, prejudicando sua saúde e suas atividades. O período de repouso também é importante, preferencialmente intercalado entre os períodos de trabalho, dando oportunidade aos músculos para relaxarem.

Via. boaSAÚDE

Dicas importantes para sentar corretamente em frente a um computador

Nos enganamos em achar que estamos nos posicionando corretamente em frente ao computador, na maioria das vezes, sem perceber estamos fazendo coisas totalmente prejudiciais a saúde do próprio corpo. Iremos dar algumas dicas super importantes, de como se posicionar corretamente em frente do computador, de um modo simples e prático, assim evitando posteriores lesões.

Você sabia que a coluna vertebral e o coração são as partes do corpo que mais exercem esforço quando você fica sentado muito tempo em frente ao computador?  Seja trabalhando ou se divertindo?

Ficar sentado é bastante confortável, mas essa posição faz com que os discos intervertebrais se desgastem por causa do peso de seu corpo e a má postura. Esse desgaste, em um curto prazo de tempo ocorre um processo degenerativo silencioso e irreversível, simplificando se você já sente dores na coluna, sua situação já não está boa, sendo assim você deve procurar um médico para fazer um tratamento adequado.

 Ficar muito tempo jogando, conversando ou trabalhando em frente do computador, sobrecarrega o coração os batimentos do coração ficam mais fortes para manter a irrigação da região inferior do corpo. Isso acontece devido ao posicionamento incorreto das pernas,  sendo assim dificulta a circulação sanguínea da região, e para amenizar isso o coração bate mais forte para contornar essa dificuldade devido a posição errada.

Posicionamente ideal para o seu corpo

Seu pescoço e cabeça devem estar sempre eretos, seus ombros relaxados e sua linha de visão deve estar alinhada com topo/centro da tela do monitor a uma distância de 45 cm a 65 cm (mais ou menos um braço).

Caso precise ler um texto fora do computador (em uma folha de papel, etc.), procure deixá-lo em uma posição na qual sua cabeça seja inclinada (ou movida para os lados) o mínimo possível. De preferência arranje um suporte para folhas que se fixa ao lado do monitor.

Mantenha a região lombar (entre a metade das costas e a cintura) sempre apoiada no encosto da cadeira ou em um suporte para as costas.

Os cotovelos devem ser mantidos sempre junto ao corpo, ou seja, nem projetados para frente (braços esticados) e nem em posição de vôo (cotovelos erguidos). Alinhe seus antebraços (as partes entre os cotovelos e os pulsos) em um ângulo entre 100 e 110 graus com o teclado. Pense assim: se o seu cotovelo fosse o centro de um relógio esses graus equivaleriam com o horário 12h20. Já os pulsos devem permanecer sempre retos (relaxados) e alinhados com o resto do braço.

Evite deixar as pernas rentes à cadeira, pois isso dificulta a circulação sanguínea (fazendo com que o coração seja forçado a bater mais rapidamente), logo, prefira mantê-las um pouco esticadas. Se possível utilize um apoio móvel para os pés (ele é parecido com um pedal de máquina de costura), pois além de auxiliar a circulação do sangue através dos movimentos feitos, ele ajuda a diminuir a distância das coxas em relação ao acento da cadeira.

Via. Arte Perfeita

4 de jan de 2011

Postura correta ao dirigir

Posição correta ao sentar e dirigir o veículo contribui para evitar o desgaste físico do motorista e as situações de perigo e aumenta a segurança nas estradas       

Dirigir é uma ação executada naturalmente pelos carreteiros profissionais, que por cruzarem o Brasil de ponta a ponta, permanecem mais tempo na estrada do que em suas casas. Porém, mesmo com toda experiência de volante, existem aqueles que dão pouca atenção à maneira correta de sentar, de conduzir o veículo e, consequentemente, não percebem o quanto esta atitude pode comprometer a saúde.
   
O Conselho Nacional de Trânsito - Contran- através de sua apostila de Direção defensiva e de Primeiros Socorros publicada para orientar condutores de veículos automotores, explica que entre as vantagens de adotar a posição correta ao enfrentar uma rodovia está evitar o desgaste físico e situações de perigo.
   
Como medida de segurança é importante, segundo o Contran, segurar o volante com as duas mãos, na posição dos ponteiros do relógio marcando 9 horas e 15 minutos, para que seja possível enxergar o painel e acessar os comandos do veículo. O cinto de segurança deve se ajustar firmemente ao seu corpo, com a faixa inferior passando pela região do abdome e a faixa transversal sobre o peito e não sobre o pescoço.
   
Outra medida é o  motorista se posicionar de modo que veja bem as informações do painel, através do qual pode verificar sempre o funcionamento de itens importantes. Estas medidas simples também contribuem para um trânsito com menos acidentes.

Dicas de uma posição adequada enquanto o motorista estiver no volante: - Dirigir com os braços e pernas ligeiramente dobrados, para diminuir as chances de lesões;
- Apoiar bem o corpo no assento e no encosto do banco o mais próximo possível de um ângulo de 90 graus;
- Ajustar o encosto de cabeça de acordo com a altura do ocupante, de preferência na altura dos olhos;
- Manter os calcanhares apoiados no assoalho do veículo
- Evitar apoiar os pés nos pedais quando não os estiver usando
- Usar calçados  bem fixos aos pés, para que os pedais sejam acionado rapidamente e com segurança.

Via. Portal O Carreteiro

Arrume a postura e melhore sua qualidade de vida

 
No trabalho
Alinhe o corpo na cadeira, sente-se de frente para a mesa, com os pés no chão, e contraia o abdome. Apoie os cotovelos na mesa ou nos braços da cadeira. Evite cruzar as pernas e curvar o tronco para frente.
 
No sofá
Mantenha os joelhos a 90°, apoie os pés no chão e as costas no sofá. Se preferir, coloque uma almofada pequena no final da coluna. Fique de frente para a TV e evite sofás fundos e moles.
 Em pé
Mantenha o equilíbrio entre os pés, dividindo bem o peso do corpo. Contraia o abdome levemente e procure alinhar os ombros com as orelhas. Evite projetar a cabeça para frente e esticar muito os joelhos.

6 razões para treinar uma postura correta

Confira como o esforço para deixar a coluna sempre no lugar certo vale a pena


1. Esconde a barriga ''Ficar mais ereto melhora a curvatura e a aparência do abdome'', diz o professor Ayrton José Martins, da PUC Campinas.


2. Evita dor de cabeça Para turbinar esse efeito, preste atenção para não curvar a cabeça para frente.


3. Facilita a digestão Não incline o tronco para frente. Do contrário, pode comprimir órgãos e piorar a digestão.


4. Dá mais flexibilidade Isso porque a postura ideal impossibilita as articulações de se contraírem.


5. Melhora problemas circulatórios O sangue tende a fluir mais facilmente quando você mantém a posição certa.


6. Diminui o nervosismo Como os ligamentos não ficam tensionados, o nível de estresse reduz. "Com a coluna reta, o peso dos ombros some e diminui a tensão do trabalho, por exemplo", diz a fisioterapeuta Adriana Moreira Santana, do Grupo Plástica e Beleza. 

Muito mais confiante

Segundo o dr. Francisco Miguel, presidente da Escola de Postura do Brasil, o modo como você se porta é o cartão de visitas da personalidade. ''Tanto os bons quanto os maus momentos ficam registrados durante a vida de uma pessoa e vão formando a postura diária'', explica. Normalmente, quem é triste, depressivo, tende a ser mais curvado e isso é notado logo de cara em uma entrevista de emprego. Por outro lado, quem tem confiança demais, estufa o peito e pode provocar uma lordose e hérnia de disco. ''O ideal é encontrar o equilíbrio'', conclui o doutor.

[VÍDEO] Escola com carteiras ergonômicas

3 de jan de 2011

[VÍDEO] Você mantém a postura correta quando sentado?

[VÍDEO] Escola ensina postura adequada

[VÍDEO] COMO USAR A MOCHILA CORRETAMENTE